Sense8 volta para episódio final

Os fãs de Sense8 podem comemorar: após ter sido cancelada pela Netflix, o serviço de streaming de TV anunciou que um último episódio de duas horas será produzido para dar um final à saga do cluster de 8 pessoas que estão ligadas por seus sentimentos ao redor do mundo. O episódio final, no entanto, ainda não tem data de estreia anunciada.

A série criada pelas irmãs Wachowski tem duas temporadas produzidas pela Netflix e conta a história de oito pessoas ao redor do mundo que se descobrem mentalmente e emocionalmente ligadas entre si, podendo serem capazes de se comunicar e se apoderar dos conhecimentos e habilidades uns dos outros enquanto são perseguidos por uma misteriosa organização que tem fins sombrios para eles.

Após o lançamento da segunda temporada, que não concluía a história, a Netflix anunciou seu cancelamento. Os fãs ao redor do mundo fizeram barulho nas redes sociais, manifestando a insatisfação e pedindo, pelo menos, por um final da trama.

Essa Coca-Cola é Fanta. E daí?

Em homenagem ao Dia do Orgulho LGBT, comemorado no dia 28 de junho, a Coca-Cola realizou uma ação interna em sua sede no Rio de Janeiro: seus funcionários receberam uma lata de Coca-Cola com os dizeres “Essa Coca-Cola é Fanta. E daí?”. Dentro das latas havia realmente Fanta em vez de Coca-Cola.

“Acreditamos que ações como essa geram orgulho e empatia e ajudam na cultura positiva do nosso dia a dia”, afirma a diretora de comunicação da Coca-Cola Brasil, Marina Peixoto, segundo o Meio & Mensagem.

Imagem: Meio & Mensagem

A frase “Essa Coca-Cola é Fanta” é usada de forma pejorativa para ofender os gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e todos os tipos sexuais diferentes do heterossexual. Com a ação, a Coca-Cola ressignifica a expressão, levando-a ao encorajamento e ao positivismo.

De acordo com a empresa, as latas de Coca-Cola que são Fanta não serão comercializadas.

Publicidade em podcast cresce 85%

A IAB, em parceria com a PricewaterhouseCoopers US, divulgou um relatório sobre a receita de anúncios em podcasts nos EUA. De acordo com o documento, a receita aumentou em 85% desde o ano passado, podendo chegar a girar mais de US$220 milhões até o fim de 2017. Entre 2015 e 2016, essas receitas já haviam registrado um aumento de 73%.

“O podcast continua a crescer e se move para o mainstream”, diz Chris Kuist, o svp de pesquisa e impacto do IAB. “Esta é a primeira vez que conseguimos cristalizar a impressão de que o podcast é uma plataforma de marketing importante e poderosa”.

Os autores do estudo analisaram os 20 maiores podcasts americanos e traçaram um histórico de seus históricos de publicidade, bem como os tipos de publicidade oferecidos pela mídia. De acordo com a pesquisa, os anúncios lidos pelos apresentadores dos programas têm mais respostas que os pré-produzidos pelos anunciantes. Anúncios que são publicados repetidamente em episódios até atingirem o número de impressões desejadas são eficientes, mas as campanhas de resposta direta, que costumam divulgar códigos para ofertas, dão ainda mais resultados. “Estamos vendo o início de uma indústria”, disse o sócio da PwC US, David Silverman. “As empresas estão tentando descobrir como usar anúncios em podcasts efetivamente. Até agora, uma conexão com o host é o melhor negócio para marketing de marca.”

Mais detalhes a respeito da pesquisa e seus resultados, você encontra nesta matéria da Adweek (em inglês).

Para não apagar a tatuagem do nome do(a) ex

O tatuador Torra trabalha no estúdio Tattoo You, de São Paulo, e já recebeu muitos pedidos para apagar ou refazer tatuagens de nomes dos ex-relacionamentos de seus clientes. Em uma campanha com a Petz, em vez disso, ele passa a sugerir: “que tal, em vez de apagar o nome dele ou dela, você encontrar um novo amor com o mesmo nome?”

O resultado, você confere no vídeo abaixo – só adiantamos que os clientes adoraram a proposta e estão muito felizes!

Girlboss é a terceira série cancelada pela Netflix

Depois de The Get Down e Sense8, a Netflix não renova a série Girlboss para a segunda temporada, cancelando mais uma atração de produção própria.

A confirmação veio da empresária Sophia Amoruso, cuja personagem da série, de mesmo nome, foi inspirada. “Então, a série da Netflix sobre minha vida foi cancelada”, escreveu em seu Instagram. “Ao mesmo tempo em que me sinto orgulhosa pelo trabalho que fizemos, busco controlar minha narrativa de agora em diante. Foi um bom seriado, e eu tive o privilégio de trabalhar com talentos incríveis, mas viver a minha vida como uma caricatura foi difícil, mesmo que por somente dois meses.”

Girlboss trazia a história de Sophia, uma jovem que, após ser demitida, tem a ideia de vender roupas vintage pela Internet, iniciando um verdadeiro império de roupas. A personagem principal era vivida por Britt Robertson, autora do livro de mesmo nome em que a série se baseou.

Em entrevista à CNBC, o CEO da Netflix, Reed Hastings, afirmou que “Nossa taxa de sucesso está muito alta agora. Então nós cancelamos poucas séries. Eu sempre falo para a equipe de conteúdo que precisamos nos arriscar mais, nós temos que tentar mais coisas loucas. Nós deveríamos ter uma taxa de cancelamentos mais alta”.

Mesmo que a personagem principal de Girlboss tenha sido criticada quando a série estreou, a notícia de seu cancelamento vem despertando indignação por parte do público na Internet, do mesmo jeito que os cancelamentos de The Get Down e Sense8 causaram.