Entenda por que Youtubers estão irritados com o YouTube

Publicado em: 11 de abril de 2017

A polêmica mais recente da Internet envolve os Youtubers e a plataforma que veicula seu conteúdo. Recentemente, o YouTube restringiu a entrada de canais com menos de 10 mil visualizações em seu programa de parcerias e também cancelou ou reduziu a monetização de canais cujo conteúdo não são considerados “Family friendly” para a empresa. De acordo com o comunicado publicado em inglês no blog oficial do YouTube, após os novos canais criados na plataforma atingirem 10 mil visualizações, eles passarão por uma avaliação antes de fazerem parte do YouTube Partner Program (YPP) e começarem a ter anúncios veiculados em seus vídeos.

Vários youtubers pelo mundo estão reclamando a respeito da nova medida do YouTube enquanto vêem suas rendas caírem muito por conta da repentina suspensão ou redução de anúncios em seus vídeos. No Brasil, Felipe Neto expôs seu lado ao contar o que vem acontecendo com seu canal desde que as novas medidas entraram em vigor, apresentando números e expondo seus argumentos.

O CEO e fundador da Wololo, Eden Wiedemann, vê a implementação das regras com bons olhos através de seu artigo para o Linkedin: “Os Youtubers, claro, começaram a gritar. ‘Ah, mas sou eu que gero audiência para o Youtube ter o que vender’. Bom, esse sempre foi o problema dessa turma, dos hubs ou influenciadores, se acharem a última bolacha do pacote. Esqueceram que são substituíveis, que são apenas parte de uma engrenagem bem maior que eles. / Sempre haverá anunciantes. SEMPRE. Ter menos audiência – se a redução significar melhor qualificação – não é exatamente ruim. Menor oferta, maior preço. O mercado vai se ajustar. Eles realmente esperavam que o Youtube se preocupasse em não ferir os sentimentos deles (e o bolso) em detrimento dos próprios (O BOLSO)?”

E você? O que acha das novas regras do YouTube para os produtores de conteúdo se adaptarem a elas? Deixe sua opinião aí nos comentários.


One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *